O Aviso na Muralha da China e o Ocidente no Século XXI {Will Hutton} 2007/2008

O isolamento devido à COVID-19 trás a vantagem de nos permitir a releitura de alguns livros antigos, neste assunto um livro de 2007 é antigo. A releitura me pareceu interessante devido à origem deste vírus e a atenção que está sendo dada à China nestes dias. o autor Will Hutton, britânico,demonstra diversos aspectos e contradições do país que podem abalar seu desempenho e consequentemente de todo o mundo. Ele tem um CV importante, é Diretor Presidente da Work Foundation da Universidade de Lancaster, e colunista do The Guardian, Foi Editor e editor-chefe do Observer. O livro apresenta a visão predominante na época de que a China seria uma força que está preparada para tornar o século XXI totalmente seu e analisa os desafios internos assombrosos que poderiam tirá-la da trilho de seu crescimento causando um choque na economia global.

O essencial é uma análise da absoluta necessidade do Ocidente entender a complexa estrutura de poder e as contradições internas de um governo antigamente comunista e absolutamente centralizador e controlador. Sua análise mostra que uma séria crise poderia advir da falta de entendimento pelas grandes economias do Ocidente que é preciso relembrar o Iluminismo, princípio embasador da Democracia na Europa e nos Estados Unidos. Na Introdução escreve:

“Minha ambição para este livro é que ele ajude a pender a balança para a cooperação internacional, contribuir para a reconsideração da assim chamada ameaça da China e o reconhecimento da situação como uma oportunidade e, acima de tudo, reafirmar os valores do Iluminismo e a importância das atividades econômicas e do pluralismo.”

Ao longo do texto analisa a estrutura econômica e de poder desenvolvida depois da II Gerra Mundial e enfatiza a necessidade da inclusão dos países do BRIC (naquela época um tópico importante na Economia Mundial) no processo decisório. O autor enfatiza que o isolacionismo, a deformação da gestão das grandes empresas visando essencialmente o lucro imediato e o pagamento de dividendos e o crescimento do nacionalismo e a exclusão de muitos países e até continente das decisões pode nos levar a uma crise mundial. Ao final escreve:

“Isso porque o mundo é cada vez mais interdependente. Tanto os benefícios da coop

eração como os custos da não-cooperação nunca foram tão grandes. Há um acidente que está prestes a acontecer, a menos que encontremos um acordo sobre os valores – a precondição para a ação cooperativa. O aviso está na muralha.”

O acidente aconteceu. A eleição de Donald Trump nos Estados Unidos no fim de 2016, a saída do Reino Unido da União Europeia – Brexit são elementos que demostram isso. Agora a falta de transparência do governo da China com a censura de artigos científicos sobre a COVID-19, a luta de cada país para obter suprimentos médicos independentemente da situação crítica de outros, o sequestro de compras brasileiras em aeroportos estrangeiros mostra a terrível situação em que o mundo se encontra. O endividamento absurdo dos USA com a emissão de títulos da dívida publica, em grande parte comprados pela China, terá consequências com a queda da economia Chinesa. A a percepção pelos países que é extremamente arriscado depender de um único fornecedor não confiável criará um novo sistema econômico mundial. Mudado o sistema econômico, enormes mudanças culturais serão a consequência, tinha acabado de escrever sobre isso logo antes da releitura deste livro. Após o fim da pandemia teremos um mundo novo, o minúsculo coronavírus desencadeou a crise temida por Will Hutton em 2007.

Capa comum: 432 páginas
Idioma: Português
ISBN-10: 857635361X
ISBN-13: 978-8576353614