Demografia, bolsas e crise na pós

Falar em crise já é uma banalidade, mas atualmente a pós-graduação está passando por uma situação bem difícil. Precisamos reagir para salvar uma conquista de muitos anos de trabalho, de avaliação e de qualificação. O ponto que tenho discutido é a absoluta necessidade de repensarmos a pós-graduação. Já tratei da visão monocromática de considerarmos que a única medida de qualidade são as publicações, precisamos de diversidade para um Pensamento Criativo (Design Thinking). Além disso a situação atual das bolsas está tornando muito difícil mantermos alunos  por longos períodos. Em um vídeo para os estudantes mostro a duração da Carreira Acadêmica que pode chegar a 25 anos até o final do doutorado. Mas atualmente alguém tomar a decisão de cursar por dois anos um mestrado e por mais quatro anos um doutorado com os valores de bolsa mostrados no gráfico a seguir é algo temerário, principalmente na area de Computação onde um bom aluno de terceiro ano já ganha mais do que isso em tempo parcial. Isso se não falarmos em trabalhos on-line para o exterior. O que fazer? 

 

Além disso estamos frente a uma transição demográfica muito rápida. Olhem este gráfico com os ados do censo de 2010 (o de 2020 não foi realizado!) que mostra uma queda impressionante nas classes de idade abaixo de 10 anos (atualmente esta classe está com 21 anos!) o que vai implicar em uma menor demanda para os programas de pós-graduação. Então estamos frente a, pelo menos, dois grandes problemas.

E ainda nem estou considerando o problema da pandemia que forçou um número muito grande de estudantes a saírem do sistema educacional. Como enfrenta-los? Precisamos repensar completamente  forma de organizarmos a pós-graduação, ao menos nas areas tecnológicas. Agora me lembrei de uma apresentação que fiz para o IFRS durante o período mais difícil da pandemia de COVID-19. Ali procurei mostrar o que penso sobre esta nossa nova vida, tenham a paciência de assistir a todo o vídeo, temos preocupações e a necessidade de reformular o comportamento para enfrentar a nova realidade! 


 

Por outro lado a pandemia do Covid-19 nos leva a uma revisão do que será necessário fazer na graduação, nosso grupo desenvolveu uma alternativa revolucionária e acabamos de apresenta-la no Laboratório de Ideias do EduComp 2022. Resumimos as ideias em um pequeno vídeo de 5 minutos (a seguir). Agora na preparação do CSBC 2022 seria bom se considerássemos estas ideias para uma conversa produtiva e preparação de novas atividades para repensarmos o ensino de computação. Nossas propostas são:

  • Defendemos a necessidade de termos um Ambiente Brasileiro de Educação permitindo a mobilidade e a construção de conhecimento e competências pelos estudantes.
  • Além disso, defendemos a construção de currículos que permitam a concessão de certificados (títulos) intermediários para quem quiser ou precisar entrar no mercado de trabalho
  • Finalmente é preciso existir a possibilidade de que os alunos orientados para a pesquisa acadêmica ou industrial possam continuar em direção a um bacharelado e, mais tarde, a um doutorado.