Mudança necessária na Cultura da Pesquisa em Banco de Dados

Um grupo de pesquisadores se reúne periodicamente para discutir o estado da arte da área e para identificar as direções essenciais para o desenvolvimento futuro da área de Banco de Dados. Aqui quero salientar este ponto sobre o qual tenho discutido amplamente e que este selecionado grupo indica, da mesma forma, como essencial na cultura de avaliação da pesquisa na área de banco de dados e big-data (a tradução livre do texto é minha). 


     The Beckman Report on Database Research

Cultura de pesquisa. Finalmente, há muita preocupação com o aumento da ênfase na contagens de citações em vez de sobre o impacto de pesquisa. Isso desencoraja projetos grandes, ferramentas para o desenvolvimento de sistemas end-to-end, e partilha de grandes conjuntos de dados, uma vez que este trabalho normalmente leva mais tempo do que a resolução de problemas pontuais. Comitês de programas que valorizam a profundidade técnica sobre temas muito focados e não sobre o potencial de impacto real da pesquisa são parcialmente culpados. Não está claro como mudar essa cultura. No entanto, para atingir uma agenda positiva sobre big-data de forma eficaz, a área precisa retornar a um estado onde menos publicações por pesquisador por unidade de tempo seja a norma, e onde grandes projetos de sistemas, conjuntos de ferramentas end-to-end, e compartilhamento de dados são mais valorizados.

 

Logo não vamos programar computadores . Vamos treiná-los como cães.

  

Chocados com o título? Vocês se lembram do computador HAL 900 (HAL 9000 (Heuristically programmed ALgorithmic Computer) do filme “2001 Uma Odisséia no Espaço”? No filme , os astronautas David Bowman e Frank Poole consideram desligar circuitos cognitivos de Hal quando ele parece estranho ao relatar a presença de uma falha na antena de comunicações da nave espacial . Eles tentam esconder o que estão dizendo, mas não sabem que HAL pode ler seus lábios. Diante da perspectiva de desconexão HAL decide matar os astronautas a fim de se proteger e prosseguir executando as suas instruções programadas. Bowman desativa as funções cognitivas do HAL 9000 pela remoção de módulos lógicos; com isso a consciência de HAL se degrada. Quando os circutos de nível cognitivo de HAL são completamente desligados, ele começa a cantar a canção “Daisy Bell” ( na realidade, a primeira música cantada por um computador). A ficção está se tornando realidade.  Leiam este artigo da Wired: Soon We Won’t Program Computers. We’ll Train Them Like Dogs

But whether you like this state of affairs or hate it—whether you’re a member of the coding elite or someone who barely feels competent to futz with the settings on your phone—don’t get used to it. Our machines are starting to speak a different language now, one that even the best coders can’t fully understand.

Memória de 1G, tunel do tempo!

 

 

Imaginem: em 2004 uma memória de i Giga para máquina fotográfica custava apenas 499,99 dólares dos Estados Unidos. Hoje este preço seria US$ 630,30 compensada a inflação.

 

Hoje a menor que se encontra no mercado custaria US$ 12.95, pelo câmbio do dia. Que evolução! Pena que o mesmo não tenha acontecido com os automóveis.

 

 


E se você perder todos os dados?

Nesta manhã a tranquilidade de João da Silva terminou! Pelas 10 horas da manhã, vinte e quatro horas após o grande clarão solar, ele estava se deslocando em seu smart-carro quando começaram a saltar faíscas da linha de alta tensão ao lado da estrada. O sistema de condução automática parou de funcionar e uma trava de emergência, felizmente mecânica, atuou e parou o veículo. Nesta hora tudo parou. A falta de energia foi geral, severas tempestades solares são semelhantes ao choque eletromagnético causado por uma explosão nuclear. Danos reais aos fios e aparelhos eletrônicos ocorreram e, dada a ampla difusão, foram de difícil recuperação. Satélites de comunicação são muito vulneráveis, sem a proteção da atmosfera foram imediatamente queimados. João ficou a pé a 10 quilômetros de sua casa, após uma longa caminhada conseguiu voltar e foi obrigado a arrombar a porta, pois a chave biométrica tinha queimado. Seu fogão com placas de aquecimento eletromagnéticas evidentemente não funcionava e a comida supergelada estava descongelando. João disse adeus ao seu laptop. Disse adeus ao seu ar condicionado. Na verdade, disse adeus à tecnologia elétrica por um longo, muito longo tempo.

Computadores, criatividade, estética e qualidade

  

 Na Aula Magna, que marca a abertura do semestre letivo, o crítico, filósofo e professor italiano Nuccio Ordine, um dos maiores conhecedores sobre a Renascença na atualidade e grande especialista na obra de Giordano Bruno ministrou a conferência “A Utilidade dos Saberes Inúteis”. Esta palestra me lembrou de um texto que havia submetido para o seminário “Perspectivas e Grandes Desafios da Computação no Brasil 2006-2016”. Certamente as ideias que apresentei naquele momento se alinham perfeitamente a esta visão não-utilitarista. Eu tinha tratado de tema muito próximo quando discuti a integração da Arte e da Computação: Perspectivas e Grandes Desafios da Computação no Brasil 2006-2016. Agora fica, cada vez mais claro que precisamos evitar a exclusão da interdisciplinariedade de nossos programas de pós-graduação. 

 Na Aula Mágna o professor defende a valorização dos conhecimentos não ligados diretamente ao alcance de resultados práticos, os chamados saberes “inúteis”, mas que são fundamentais para sedimentar as bases para um pensamento crítico da sociedade. Também desaprova o que chama de “empresariamento” do conhecimento científico, orientado pela lógica da produtividade extrema dentro do universo acadêmico. Para ele, essa prática ameaça a possibilidade de conceber a universidade como um lugar no qual se reflete, se ensina, se faz pesquisa. De acordo com o filósofo, a ótica utilitarista e do culto à posse acaba diminuindo a essência das pessoas, pondo em risco não só a cultura, a criatividade e as instituições de ensino, mas valores fundamentais como a dignidade humana, o amor e a verdade.

Ambientes Sociais Inteligentes Sensíveis ao Contexto

Resumo do Projeto ASISC

Ambientes Sociais Inteligentes Sensíveis ao Contexto são sistemas de informação que levam em conta características de redes sociais tanto humanas quanto compostas por web services. Estas características são consideradas para os sistemas se adaptarem e obterem melhores resultados com a orquestração dos recursos disponíveis ou com a recomendação para a utilização de recursos, cooperações e serviços disponíveis.

A pesquisa nesta área apresenta múltiplas facetas como a identificação e modelagem do contexto a situações experimentadas dentro deste contexto. A utilização de ontologias formais e regras de inferência para a identificação das situações e das melhores ações a serem tomadas e a seleção de web services adequado para a realização de tarefas.

Dentro do escopo desta proposta tratamos de dois casos específicos nos quais os modelos conceituais ligados a redes sociais e à sensibilidade ao contexto são validados: os contextos de smart environments e a análise de ambientes inteligentes para a análise e recomendação em redes sociais acadêmicas. Em ambos os casos, a modelagem conceitual de contexto, situação e recomendação de recursos são explorados de forma a permitir a validação experimental dos conceitos elaborados.

A pesquisa proposta é composta por cinco pacotes de trabalho:

  • P1: Modelagem e gestão do contexto e do usuário
  • P2: Adaptação e recomendação de serviços
  • P3: Recomendação de colaboração
  • P4: Infraestrutura – sensores, atuadores e serviços
  • P5: Cenários de validação

Objetivos

O presente projeto visa expandir as pesquisas desenvolvida no âmbito do grupo de Sistemas de Informação do PPGC da UFRGS tratando de:

  • Modelagem e gestão do contexto e do usuário” onde propomos identificar todas as dimensões contextuais relevantes. Reconhecer e, portanto, interpretar automaticamente o contexto. Contudo, os usuários podem fornecer informação de contexto adicional que pode não ter sido detectada automaticamente. Classificar dinamicamente dimensões contextuais importantes utilizadas para executar a busca por similaridade. Por exemplo, um usuário que espera por um e-mail específico, quer ser notificado imediatamente, enquanto o usuário que está terminando uma tarefa importante não quer ser incomodado. Neste exemplo, a dimensão da atividade (aguardar um e-mail v.s. acabar uma tarefa) recebe uma prioridade muito elevada, enquanto que as outras dimensões, tais como a localização, são menos importantes. O controle de usuário é um aspecto muito importante para a notificação automaticamente ao usuário. Reconhecer o contexto atual e fornecer serviços relevantes a este respeito deve ser realizado em tempo real. Considerar a evolução dos interesses do usuário para fornecer recomendações pertinentes, porque se o comportamento do sistema é inconsistente, o usuário pode rapidamente o rejeitar.
  • Adaptação e recomendação de serviços onde serão analisadas a alta dinamicidade dos elementos do contexto e a sua imprevisibilidade; realizado o tratamento em tempo real de grandes volumes de dados, em especial para identificação de recomendações; examinado o desenvolvimento de modelos de adaptação e recomendação de forma a lidar, com os problemas de contexto altamente dinâmico e imprevisível.
  • Recomendação de colaboração tem por objetivos: Definir uma função de avaliação de qualidade com base em análises em redes sociais acadêmicas para o contexto acadêmico que utilize informações sobre publicações. Os resultados dos trabalhos prévios da equipe proponente servirão como ponto de partida para esse objetivo. Visa-se expandir e refinar o trabalho de forma que outros possíveis indicadores e métricas associadas possam ser definidos através de análises de colaborações entre pesquisadores. Definir uma função de recomendação de colaborações para o contexto acadêmico. Os resultados dos trabalhos prévios da equipe proponente servirão como ponto de partida para esse objetivo. Visa-se considerar outros indicadores para recomendação de colaborações. Pretende-se expandir o estudo sobre a influência de aspectos temporais das relações entre pesquisadores consideradas para geração de recomendações. Integrar as propostas dos dois objetivos citados anteriormente visando uma função de recomendação de colaborações para o contexto acadêmico que utilize as informações sobre qualidade de grupos de pesquisa. Para tanto, visa-se definir como a função de recomendação pode beneficiar-se pelo uso dos indicadores e métricas de qualidade de grupos com base na análise em redes de colaboração. Definir a infraestrutura para validação e avaliação experimental dos resultados obtidos, pelo cumprimento dos três objetivos anteriores possibilitando que possam ser utilizados conjuntos de dados reais.
  • Infraestrutura – sensores, atuadores e serviços. Para seu desenvolvimento, esta tarefa envolverá a concepção e implementação de uma infraestrutura que permita a integração de serviços e sensores disponíveis, de forma a se obter um ambiente de apoio às atividades dos usuários. Dentro deste quadro, será trabalhado especificamente no seguinte: Integração de serviços e sensores dentro do ambiente de atividades, incluindo sistemas de gestão de processos; Mecanismos e modelos que permitam ao usuário definir e manipular dinamicamente o ambiente de apoio às atividades (serviços e sensores utilizados, tratamento das informações disponíveis, etc.); Estudo das redes sociais como um meio de acesso aos sensores e serviços pessoais para uma melhor integração de informações em atividades colaborativas 

Participantes

  • José Palazzo Moreira de Oliveira: coordenador
  • José Valdeni de Lima
  • Leandro Krug Wives
  • Isabela Gasparini
  • Ana Marilza Pernas Fleischmann
  • Giseli Rabello Lopes
  • Jonas Bulegon Gassen
  • Alencar Machado

Resultados acadêmicos

Publicações do projeto ASISC

Atividades executadas

Atividades do projeto ASISC

Processamento das eleições de 1974

O processamento das eleições estaduais de 1974 foi feito pelo CPD-UFRGS, tendo sido o sistema projetado e desenvolvido pelos alunos do CPGCC (Lúcia, Lisbôa, Liane, Palazzo, Nina) coordenados por Clésio Saraiva dos Santos. Os votos eram em papel e contados manualmente, após as atas das seções eleitorais foram digitadas e agregadas. Todo o backup e processamento era feito com gravações múltiplas em fitas magnéticas!

Eleicoes1974

As três pessoas a esquerda são membros do Tribunal Eleitoral, a seguir Lisboa e Palazzo