Artigos, teses e dissertações: o que é mais consultado?

Eu sempre achava que teses e dissertações só seriam lidas pela banca e por uns poucos pesquisadores relacionados com o projeto. Há um ano, mais ou menos, resolvi dar uma olhada nos acessos às teses de meus ex-orientandos no sistema da UFRGS e tive um grande surpresa! Olhem os gráficos a seguir:

O primeiro histograma é uma dissertação de mestrado, o segundo e terceiro são teses de doutorado, mesmo a mais recente já tem um número expressivo de acessos.

Conclusão: Muito cuidado e esforço para redigir uma boa tese ou dissertação!

As pessoas já entenderam que a bibliografia naïf que conta o número de artigos e não a qualidade intrínseca do trabalho não estimula a leitura de artigos bem fatiados, preferem buscar a qualidade do trabalho. Um texto completo de uma tese ou dissertação é muito melhor, tem qualidade intrínseca baseada na apresentação completa do trabalho de pesquisa. Eu gostaria que um aluno meu de doutorado publicasse UM artigo de alta qualidade e não uns 5 ou seis com QUALIS do índice restrito, mas cada um apresentando uma pequena faceta do seu trabalho.

 

Nova tese: AwARE : an approach for adaptive recommendation of resources

Título: AwARE : an approach for adaptive recommendation of resources
Autor: Machado, Guilherme Medeiros 
Orientador: Oliveira, Jose Palazzo Moreira de 
Data: 2018
Nível: Doutorado
Instituição: Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Informática. Programa de Pós-Graduação em Computação.

Recommender systems were proposed in early 90’s with the goal to help users deal with cognitive overload brought by the internet and the constant increase of documents. From there to now such systems have assumed many other roles like “help users to explore”, “improve decision making”, or even “entertain”. To accomplish such new goals, the system needs to look to user characteristics that help in understand what the user task is and how to adapt the recommendation to support such task. In this direction, it is proposed in this thesis an integration between recommender and adaptive strategies into a new process of adaptive recommendation. It is shown that such integration can improve recommendation accuracy and give good results to user retention, and interaction with the systems. To validate the approach, it is implemented a prototype to recommend movies to be used in a classroom. It is also collected some statistics about the 78 users who have participated of the experiment for evaluation of the new approach.

Lume

Avaliação da CAPES, Vestibular e QUALIS

Logo da CAPESEstava pensando sobre a avaliação realizada pela CAPES dos programas de pós-graduação. Tenho escrito bastante sobre o assunto, afinal a pesquisa e o ensino em Computação é minha atividade essencial. Um dos textos publicados foi sobre Individualismo ou o QUALIS e a Avaliação onde me preocupava com o problema da utilização do QUALIS para avaliações de pessoas, o que é dito como uso inadequado pela CAPES. Mas agora estava pensando sobre o que acontece, então me surgiu a analogia com o vestibular. Este exame foi criado para selecionar os candidatos para a Universidade. Qual seu real objetivo? No início era evidente: avaliar o real conhecimento dos candidatos. Quando a competição começou a aumentar surgiram os cursinhos, segui um dos primeiros aqui em Porto Alegre. Como funcionavam estes cursinhos? Eram aulas ministradas por professores bem conhecidos no secundário ou mesmo nas universidades que ministravam aulas revisando e explicando os fundamentos e os conteúdos das disciplinas. Começavam com o primeiro ano do secundário, seguiam para o segundo e terceiro. Era de fato um condensado do secundário tirando as dúvidas e  procurando aumentar a compreensão dos candidatos. O exame vestibular era textual, com questões que deveriam ser respondidas com textos e cálculos, um verdadeiro exame. Ai surgiu um problema: com o aumento dos candidatos o modelo não escalava! O vestibular passou a ser composto por questões de cruzinha. Nesta época eu participava tanto da Comissão de Vestibular quanto do CPD da UFRGS, conheci bem o problema nos dois sistemas: fiz o vestibular com questões textuais e participei do processo do vestibular com múltiplas provas de escolha simples ou múltipla. Ai os cursinhos degeneraram, passaram a ser treinamentos sobre a melhor forma de responder as questões. O treinamento são verdadeiras gincanas. As aulas, de um ponto de vista tradicional, são sessões de teatro ou de circo. Certamente a qualidade do processo de seleção piorou, ou se degradou. 

 Com a avaliação dos programas de pós-graduação se passou o mesmo. Também participei de toda a evolução. No início era feita uma avaliação detalhada de cada programa, uma comissão visitava o programa, entrevistava professores e escolhia alunos ao acaso para entrevistas individuais. As bibliotecas, salas de aula, equipamentos eram analisados. Havia um julgamento. Ai houve um aumento gigantesco de cursos de pós-graduação (mais tarde farei uma análise comparativa com outros países) e o sistema, novamente, não escalava! Já vimos isto antes… Conclusão: é preciso achar uma forma de avaliar os programas sem gastar muito. Foi, então, criada a obsessão pela métrica das publicações. E ai surgiu a distorção. Em um texto anterior escrevi:

Há uns meses avaliei um artigo internacional e, como sempre faço, realizei uma busca na Web para encontrar as demais publicações do autor. Hoje existe uma enorme pressão para avaliar os pesquisadores por suas publicações e, muitas vezes, pela quantidade delas. Esta pressão leva muitas pessoas a uma atitude que chamo de “mass publication process” onde o mesmo conteúdo é maquiado para parecer diferente e é publicado várias vezes. Por isto um revisor responsável precisa verificar o grau de originalidade de um artigo antes de emitir um parecer conclusivo. Fiquei impressionado pela quantidade de publicações encontradas daquele autor nos últimos dois ou três anos! Analisando com mais cuidado descobri que em apenas uma conferência ele tinha 7 publicações registradas no DBLP, 6 em outra e 5 em uma terceira. Ao analisar os artigos deu para ver que, agregados os de cada conferência, dariam um  artigo adequado e denso. Como os artigos foram estrategicamente distribuídos para vários workshops associados e para a conferência principal acabaram sendo aceitos. Será que este pesquisador é melhor por ter 18 artigos nestas conferências, além de mais umas 12 variações sobre o mesmo tema, do que seria se tivesse publicado dois ou três artigos densos em vez de 30 pontuais tratando, maquiadamente, do mesmo assunto?

Uma justificativa foi que era preciso achar uma métrica objetiva para realizar a avaliação, isto é, fugir da responsabilidade do julgamento. Mas neste caso nenhuma métrica é objetiva, os dados escolhidos são subjetivos e ideológicos. Hoje há uma visão de que a única cois que vale são publicações. Agora me surgiu uma ideia: não seria melhor colocar uma montanha de dados para um algoritmo de ‘superhuman’ DeepMind AI e verificar os resultados? A menos que a resposta fosse 42… Como vemos há uma tendência a perdermos o foco de qualquer coisa e procurar a solução mais fácil e barata. Aliás, há a famosa frase sobre os caminhos:

“Entrai pela porta estreita, porque larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; e porque estreita é a porta, e apertado, o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem”.

É isto que realmente ocorre, achar a qualidade é essencial, achar um método que escala é fácil mas de menor qualidade. Esta qualidade desejada se consegue trabalhando em bons problemas e com grupos consistentes. A escolha destes problemas reais é essencial, a criação de grupos hierárquicos para trabalhar com estes problemas é essencial. Um assunto que precisa ser discutido é a diversidade cultural e de perfis de trabalho na pós-graduação. Atualmente está aceito que a diversidade nos grupos sociais e acadêmicos é um dos melhores fatores para aumentar a eficiência e a criatividade. Culturas, gêneros e opiniões diferentes favorecem o convívio e abrem novas possibilidades para o tratamento dos temas de trabalho. Pergunto: “Por que isto não acontece nas pós-graduações?”. O consenso é que só devem participar dos programas professores-pesquisadores com um número alto de publicações em journals com alto fator de impacto. Mas um grupo criativo é algo bem diferente. Os coordenadores de programas de pós-graduação expurgam ótimos professores (que poderiam ministrar ótimas aulas) para aumentar os índices CAPES. Isto é uma exclusão. Aqueles que são dotados para a implementação também são excluídos, sobram apenas os publicadores. Com este comportamento perdemos muitas pessoas que seriam importantes para a formação de nossos alunos e para o desenvolvimento dos projetos. Isto sem contar com a criatividade oriunda da diversidade de perfis. O ponto central não é a qualidade e criatividade do grupo, mas sua adequação à bibliometria avaliativa. Se quisermos qualidade real será preciso uma profunda mudança em nossos critérios.

Resumindo: precisamos de bons problemas, grupos com diversidade e qualidade, hierarquia na pesquisa e avaliação por julgamento. Mas como este dito anônimo retrata:

As Universidades e os cemitérios são refratários às mudanças, os que ali estão não querem se mover.

A parte disto considero que estamos dando a mensagem errada para os jovens, tanto alunos quanto pesquisadores. O importante não é a contagem de artigos, mas a pesquisa de qualidade. Entendo que dependemos do dinheiro da CAPES e que devemos nos preocupar com a avaliação, é o caso de fazer o que quem paga quer (não vou considerar profissões assim…). Mas a avaliação deveria ser consequência de uma boa pesquisa e não obtida por regras.

 

CNPq cria modalidade de Doutorado Acadêmico Industrial

CNPq

A proposta é que o doutorando precisa, além de produção científica e defesa da tese, gerar no final um produto que possa ser aplicado no setor produtivo. Nas atividades de pré-doutorado um projeto deverá ser elaborado em colaboração com o setor industrial

Uma iniciativa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Universidade Federal do ABC (UFABC) vai favorecer estudantes que queiram desenvolver projetos de interesse do setor industrial: trata-se do Doutorado Acadêmico Industrial.

O Doutorado Acadêmico industrial é uma modalidade de ingresso nos cursos de doutorado existentes na UFABC. Nestes, os alunos desenvolverão suas pesquisas concomitantemente em laboratórios e centros de pesquisa de empresas e indústrias privadas ou públicas.

A proposta é que o doutorando precisa, além de produção científica e defesa da tese, gerar no final um produto que possa ser aplicado no setor produtivo. Nas atividades de pré-doutorado um projeto deverá ser elaborado em colaboração com o setor industrial.

O aluno será matriculado em um dos programas de pós-graduação da UFABC, onde desenvolverá sua tese como aluno regular desse programa, tendo sua orientação compartilhada entre um orientador acadêmico e um supervisor industrial.

Ao concluir o doutorado, o diploma gerado é idêntico ao dos alunos ingressantes pelos processos seletivos regulares dos programas de pós-graduação da universidade.

CNPq

O QUALIS não deve ser usado para a avaliação de pesquisadores – a solução

 

 CAPESA CAPES vem afirmando continuamente através de seus representantes que o QUALIS deve ser usado exclusivamente para a avaliação de programas de pós-graduação, não para a avaliação individual de pesquisadores. Mas os programas de pós-graduação, avaliados pela CAPES, continuam fazendo isto. O pior é que faculdades que sequer têm pesquisa usam este critério para a seleção de seus professores. Há, ainda, quem faz a alocação de espaço físico baseado em QUALIS de pesquisadores… Finalmente achei a solução!

É preciso a CAPES tenha a coragem de assumir a sua responsabilidade pois o QUALIS é sua produção e, portanto, ela tem o Direito Autoral sobre este produto. Vejam o seguinte texto do ECAD:

Direito autoral é um conjunto de prerrogativas conferidas por lei à pessoa física ou jurídica criadora da obra intelectual, para que ela possa gozar dos benefícios morais e patrimoniais resultantes da exploração de suas criações. O direito autoral está regulamentado pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/98) e protege as relações entre o criador e quem utiliza suas criações artísticas, literárias ou científicas, tais como textos, livros, pinturas, esculturas, músicas, fotografias etc. Os direitos autorais são divididos, para efeitos legais, em direitos morais e patrimoniais.

Os direitos morais asseguram a autoria da criação ao autor da obra intelectual, no caso de obras protegidas por direito de autor. Já os direitos patrimoniais são aqueles que se referem principalmente à utilização econômica da obra intelectual. É direito exclusivo do autor utilizar sua obra criativa da maneira que quiser, bem como permitir que terceiros a utilizem, total ou parcialmente.

Ao contrário dos direitos morais, que são intransferíveis e irrenunciáveis, os direitos patrimoniais podem ser transferidos ou cedidos a outras pessoas, às quais o autor concede direito de representação ou mesmo de utilização de suas criações. Caso a obra intelectual seja utilizada sem prévia autorização, o responsável pelo uso desautorizado estará violando normas de direito autoral, e sua conduta poderá gerar um processo judicial.

A obra intelectual não necessita estar registrada para ter seus direitos protegidos. O registro, no entanto, serve como início de prova da autoria e, em alguns casos, para demonstrar quem a declarou primeiro publicamente.

Texto completo no ECAD

Encontramos no site da CAPES, na area da Computação, o seguinte texto:

É importante observar que os critérios adotados pela Coordenação de Área para avaliação de publicações em periódicos e em anais de conferências destinam-se à análise de programas de pós-graduação e são inadequados para avaliação individual de pesquisadores.

A solução é simples: basta a CAPES proibir o uso de seu produto para outros usos que não a avaliação de programas de pós-graduação. Ela tem este direito pela lei. 

Frase a ser publicada:

“O QUALIS, propriedade intelectual da CAPES, destina-se exclusivamente à avaliação de programas de pós-graduação. Qualquer outra utilização como critério exclusivo de avaliação não é autorizada.”


 

Presidente da Capes defende debate amplo sobre o sistema de pós-graduação brasileira

CAPES Os desafios orçamentários atuais afetam o futuro da expansão da pesquisa acadêmica no país. Além disso, para Abílio Baeta Neves, as universidades precisam voltar a ser protagonistas na discussão sobre qual o sistema mais adequado para o avanço acadêmico

É inegável o papel estratégico da Capes para o sistema acadêmico brasileiro. A instituição é responsável pela concessão de aproximadamente 100 mil bolsas ao ano, além de avaliar a qualidade da oferta dos cursos de pós-graduação ofertados pelas universidades. Papel tão central no fomento à especialização coloca a Capes em uma posição privilegiada para mapear os desafios da especialização acadêmica. No primeiro painel da 69ª Reunião Anual da SBPC, “Os Desafios da Pós-Graduação”, esse olhar crítico sobre o presente e futuro da pós foi apresentado pelo presidente da Capes, Abílio Baeta Neves.

….

Mariana Mazza – especial para o Jornal da Ciência

Leia mais

Apresentação no CSBC 2017: Avaliação da qualidade de programas de pós-graduação

 

A comunidade tem perguntado sobre o caminho que estamos trilhando para construir uma pós-graduação de excelência. Encontramos opiniões divergentes, alguns acreditam que se obtém qualidade pelos altos níveis de exigência, outros por estimular o trabalho individual dos alunos. Uns pensam que a pós-graduação é uma forma de crescimento social e encaram os critérios altos como elitistas. Atualmente alguns programas de PG estão reduzindo o número de créditos com o racional que o importante é o trabalho de dissertação ou de tese. Há, ainda, a discussão sobre se vale a pena o investimento no mestrado e se o doutorado deve ser o fim último da PG, sendo o mestrado algo considerado como um prêmio de consolação para quem não consegue obter o doutorado. Certamente estamos em um período turbulento, onde poucas certezas existem. As perguntas que não querem calar são: Teremos realmente universidades de primeira linha? O que é uma universidade primeira linha? É uma universidade com prêmios Nobel? É uma universidade para onde os pesquisadores top querem trabalhar em seus sabáticos? É uma Universidade para onde os melhores alunos do mundo aplicam como forma de ter seu futuro assegurado? Este é o tema central da Avaliação da Qualidade tratada neste texto: Como avaliar a qualidade de um programa de pós-graduação, que critérios devem ser utilizados? 

2017 CSBC Avaliação