Visibilidade da pesquisa

Fui convidado para apresentar uma palestra e participar de uma mesa redonda no VIII Workshop do Programa de Pós-graduação em Ciência da Computação da UNESP Em Presidente Prudente-SP. O evento foi muito produtivo gerando discussões interessantes sobre a visibilidade da pós-graduação. Procurei apresentar minha visão sobre a visibilidade da Pesquisa: hoje perdemos a visibilidade por parte da população, estamos demasiadamente preocupados em mostrar nossa produção em termos do Índice Restrito da CAPES. Vocês acham que a população, que nos paga as pesquisas, sabe o que é isso? O mundo mudou, redes sociais são essenciais para a divulgação de nosso trabalho. Precisamos mostrar a importância social do que fazemos de forma que seja possível a sua compreensão pelo público geral. A partir disso é possível relacionar a parte científica com as pesquisas desenvolvidas. As publicações são a consequência de uma pesquisa de qualidade, não o resultado da pesquisa. Então resolvi compartilhar a apresentação para meditação dos colegas da CC.

visibilidade

História Econômica Global – Uma breve introdução {Robert C. Allen} 2011


Coleção L&PM E-books

“A história econômica é a rainha das ciências humanas. […] se tornou especialmente instigante nos últimos tempos, quando a pergunta fundamental — ‘por que alguns países são ricos e outros são pobres?’ — adquiriu abrangência mundial.”

Por que razão existem países ricos e países pobres — e, ainda, os chamados países em desenvolvimento? No ano de 1500, diferenças de renda globais eram pequenas, mas as disparidades cresceram dramaticamente desde que Colombo chegou à América. Robert C. Allen, professor de história econômica da Universidade de Oxford, aborda o tema relembrando os aspectos que influenciam a atividade econômica (cultura, instituições, ambiente etc.) e revisita a história da riqueza das principais nações do mundo. Explica também por que o crescimento econômico teve seu arranque na Europa em vez de na Ásia ou na África e mostra como a interconexão de geografia, globalização, mudanças tecnológicas e políticas econômicas tiveram papéis determinantes na composição do mundo desigual em que vivemos hoje. 

Uma leitura muito interessante: os economistas buscam modelos abstratos e atemporais para analisar a riqueza das nações, neste livro o autor analisa a evolução econômica de países e regiões estudando as causas do processo dinâmico de transformação histórica. Pena que o Brasil seja apenas citado superficialmente. A América Latina é melhor estudada, de qualquer forma o referencial histórico apresentado permite um muito bom entendimento da evolução econômica das nações.

Let CiteScore™ metrics guide you to the right journals.

Don’t speculate — validate.

The CiteScore 2017 values are here! Establishing a new standard for measuring serial citation impact, CiteScore™ metrics are freely available for more than 23,350 titles — 12,000 more titles than the leading competitor.

Powered by Scopus, CiteScore metrics are a comprehensivecurrent, transparent and free set of metrics that measure serial citation impact over a 3-year period.

CiteScore metrics from Scopus are:

  • Comprehensive
  • Transparent
  • Current and free
Use this page to find a source and view associated metrics. Use qualitative as well as quantitative metrics when presenting your research impact. Always use more than one quantitative metric. Learn more about CiteScore.
Explore CiteScore 2017 metrics  >

A mentira do gasto excessivo em ensino superior no Brasil

LivrosEstamos cansados de ouvir e de ler que o problema do Brasil é o gasto excessivo no ensino superior. Isto não é verdade, em uma palestra sobre a Universidade do Futuro, aqui na UFRGS, foi mostrado este documento da OECD, portanto acima de suspeitas de partidarismo, Public spending on education DOI:10.1787/f99b45d0-en. Aqui está bem clara a distribuição dos recursos públicos em educação:  0,959% do PIB em ensino terciário (superior) e do primário até o não terciário (fundamental e médio) são aplicados 4,061%. Ou seja aplicamos 4,2 vezes mais recursos no ensino fundamental e médio. Somos o quinto país da análise que mais gasta com o ensino pré terciário e apenas o 20º no ensino superior. Está na hora de realizarmos estudos mais profundos sobre qual é a real razão dos problemas do nosso ensino. Este é um exemplo claro da era da pós-verdade: usam afirmações que apoiem suas ideias sem buscar a verdade nos dados! (ver tabela ao final)

Para mim o problema está bem caracterizado:

  • Modelo de ensino centrado em aulas, número de horas de aulas, tanto para o modelo de negócio quanto para avaliar a cobertura do curso.
  • Falta de tempo dos alunos para desenvolverem estudo complementar ou desenvolver trabalhos fora das aulas. É a visão de que se aprende na aula e não que a aula é a apresentação do tema e a motivação para o estudo.

As causas deste problema são:

  • Incapacidade em entender que o projeto de ensino deve ser o desenvolvimento da capacidade de auto estudo e a capacidade de crítica e de reflexão. Daí decorre a deformação de avaliação de cursos por horas e conteúdos e cobrança e pagamento por horas-aula. Hoje está em andamento uma absurda discussão sobre quantos minutos deve ter uma hora-aula…
  • A falta de entendimento que um conteúdo básico universal é essencial, não adianta um amplo espectro de conteúdo quando o essencial de Português e Matemática não são dominados.

Dedicação completa de alunos ao estudo.

  • Bolsas de permanência
  • Avaliação real do desempenho
  • Seleção dos melhores alunos

Mudança nos critérios de avaliação

  • Acabar com as provas “decoreba”
  • Avaliação de atividades individuais dos alunos
  • Projetos sobre problemas complexos
  • Participação proativa dos alunos

Tópicos relacionados

Avaliação da CAPES, Vestibular e QUALIS

Logo da CAPESEstava pensando sobre a avaliação realizada pela CAPES dos programas de pós-graduação. Tenho escrito bastante sobre o assunto, afinal a pesquisa e o ensino em Computação é minha atividade essencial. Um dos textos publicados foi sobre Individualismo ou o QUALIS e a Avaliação onde me preocupava com o problema da utilização do QUALIS para avaliações de pessoas, o que é dito como uso inadequado pela CAPES. Mas agora estava pensando sobre o que acontece, então me surgiu a analogia com o vestibular. Este exame foi criado para selecionar os candidatos para a Universidade. Qual seu real objetivo? No início era evidente: avaliar o real conhecimento dos candidatos. Quando a competição começou a aumentar surgiram os cursinhos, segui um dos primeiros aqui em Porto Alegre. Como funcionavam estes cursinhos? Eram aulas ministradas por professores bem conhecidos no secundário ou mesmo nas universidades que ministravam aulas revisando e explicando os fundamentos e os conteúdos das disciplinas. Começavam com o primeiro ano do secundário, seguiam para o segundo e terceiro. Era de fato um condensado do secundário tirando as dúvidas e  procurando aumentar a compreensão dos candidatos. O exame vestibular era textual, com questões que deveriam ser respondidas com textos e cálculos, um verdadeiro exame. Ai surgiu um problema: com o aumento dos candidatos o modelo não escalava! O vestibular passou a ser composto por questões de cruzinha. Nesta época eu participava tanto da Comissão de Vestibular quanto do CPD da UFRGS, conheci bem o problema nos dois sistemas: fiz o vestibular com questões textuais e participei do processo do vestibular com múltiplas provas de escolha simples ou múltipla. Ai os cursinhos degeneraram, passaram a ser treinamentos sobre a melhor forma de responder as questões. O treinamento são verdadeiras gincanas. As aulas, de um ponto de vista tradicional, são sessões de teatro ou de circo. Certamente a qualidade do processo de seleção piorou, ou se degradou. 

 Com a avaliação dos programas de pós-graduação se passou o mesmo. Também participei de toda a evolução. No início era feita uma avaliação detalhada de cada programa, uma comissão visitava o programa, entrevistava professores e escolhia alunos ao acaso para entrevistas individuais. As bibliotecas, salas de aula, equipamentos eram analisados. Havia um julgamento. Ai houve um aumento gigantesco de cursos de pós-graduação (mais tarde farei uma análise comparativa com outros países) e o sistema, novamente, não escalava! Já vimos isto antes… Conclusão: é preciso achar uma forma de avaliar os programas sem gastar muito. Foi, então, criada a obsessão pela métrica das publicações. E ai surgiu a distorção. Em um texto anterior escrevi:

Há uns meses avaliei um artigo internacional e, como sempre faço, realizei uma busca na Web para encontrar as demais publicações do autor. Hoje existe uma enorme pressão para avaliar os pesquisadores por suas publicações e, muitas vezes, pela quantidade delas. Esta pressão leva muitas pessoas a uma atitude que chamo de “mass publication process” onde o mesmo conteúdo é maquiado para parecer diferente e é publicado várias vezes. Por isto um revisor responsável precisa verificar o grau de originalidade de um artigo antes de emitir um parecer conclusivo. Fiquei impressionado pela quantidade de publicações encontradas daquele autor nos últimos dois ou três anos! Analisando com mais cuidado descobri que em apenas uma conferência ele tinha 7 publicações registradas no DBLP, 6 em outra e 5 em uma terceira. Ao analisar os artigos deu para ver que, agregados os de cada conferência, dariam um  artigo adequado e denso. Como os artigos foram estrategicamente distribuídos para vários workshops associados e para a conferência principal acabaram sendo aceitos. Será que este pesquisador é melhor por ter 18 artigos nestas conferências, além de mais umas 12 variações sobre o mesmo tema, do que seria se tivesse publicado dois ou três artigos densos em vez de 30 pontuais tratando, maquiadamente, do mesmo assunto?

Uma justificativa foi que era preciso achar uma métrica objetiva para realizar a avaliação, isto é, fugir da responsabilidade do julgamento. Mas neste caso nenhuma métrica é objetiva, os dados escolhidos são subjetivos e ideológicos. Hoje há uma visão de que a única cois que vale são publicações. Agora me surgiu uma ideia: não seria melhor colocar uma montanha de dados para um algoritmo de ‘superhuman’ DeepMind AI e verificar os resultados? A menos que a resposta fosse 42… Como vemos há uma tendência a perdermos o foco de qualquer coisa e procurar a solução mais fácil e barata. Aliás, há a famosa frase sobre os caminhos:

“Entrai pela porta estreita, porque larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; e porque estreita é a porta, e apertado, o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem”.

É isto que realmente ocorre, achar a qualidade é essencial, achar um método que escala é fácil mas de menor qualidade. Esta qualidade desejada se consegue trabalhando em bons problemas e com grupos consistentes. A escolha destes problemas reais é essencial, a criação de grupos hierárquicos para trabalhar com estes problemas é essencial. Um assunto que precisa ser discutido é a diversidade cultural e de perfis de trabalho na pós-graduação. Atualmente está aceito que a diversidade nos grupos sociais e acadêmicos é um dos melhores fatores para aumentar a eficiência e a criatividade. Culturas, gêneros e opiniões diferentes favorecem o convívio e abrem novas possibilidades para o tratamento dos temas de trabalho. Pergunto: “Por que isto não acontece nas pós-graduações?”. O consenso é que só devem participar dos programas professores-pesquisadores com um número alto de publicações em journals com alto fator de impacto. Mas um grupo criativo é algo bem diferente. Os coordenadores de programas de pós-graduação expurgam ótimos professores (que poderiam ministrar ótimas aulas) para aumentar os índices CAPES. Isto é uma exclusão. Aqueles que são dotados para a implementação também são excluídos, sobram apenas os publicadores. Com este comportamento perdemos muitas pessoas que seriam importantes para a formação de nossos alunos e para o desenvolvimento dos projetos. Isto sem contar com a criatividade oriunda da diversidade de perfis. O ponto central não é a qualidade e criatividade do grupo, mas sua adequação à bibliometria avaliativa. Se quisermos qualidade real será preciso uma profunda mudança em nossos critérios.

Resumindo: precisamos de bons problemas, grupos com diversidade e qualidade, hierarquia na pesquisa e avaliação por julgamento. Mas como este dito anônimo retrata:

As Universidades e os cemitérios são refratários às mudanças, os que ali estão não querem se mover.

A parte disto considero que estamos dando a mensagem errada para os jovens, tanto alunos quanto pesquisadores. O importante não é a contagem de artigos, mas a pesquisa de qualidade. Entendo que dependemos do dinheiro da CAPES e que devemos nos preocupar com a avaliação, é o caso de fazer o que quem paga quer (não vou considerar profissões assim…). Mas a avaliação deveria ser consequência de uma boa pesquisa e não obtida por regras.

 

A Grande Saída {Angus Deaton} 2013

Capa do livro "A grande saída"

Vencedor do Prêmio Nobel de Economia analisa como populações escaparam da pobreza e por que as desigualdades ainda são tão presentes no cenário global. Angus Deaton afirma que vivemos melhor hoje do que em qualquer outro período da história. As pessoas são mais saudáveis, mais ricas e a expectativa de vida continua a aumentar. Paradoxalmente, o fato de tantos indivíduos terem conseguido escapar da pobreza também gerou desigualdades; e a disparidade entre países desenvolvidos e em desenvolvimento se estreitou, mas não desapareceu. Em A grande saída, um dos maiores especialistas em estudos sobre pobreza recua 250 anos para traçar a impressionante história de como diversas regiões do mundo vivenciaram um progresso significativo e, assim, abriram abismos que levaram ao cenário extremamente desigual de hoje. O estudo aprofunda-se nos padrões históricos e atuais por trás das nações ricas e com boas condições de saúde, e aborda o que é preciso fazer para ajudar os países que ficaram para trás. Deaton descreve as vastas inovações e os retrocessos penosos para o bem-estar. De um lado, há a eficácia dos antibióticos, o controle de epidemias, vacinação e água tratada; do outro, é preciso enfrentar a calamidade da fome e a epidemia da aids. O economista analisa o caso dos Estados Unidos, uma nação bastante próspera por décadas, mas que hoje vivencia um aumento progressivo da desigualdade, e examina como o crescimento econômico da Índia e da China aprimorou a qualidade de vida de mais de um bilhão de pessoas. Para ele, a ajuda internacional tem se mostrado ineficaz e até mesmo prejudicial, e seria preciso investir em esforços alternativos que permitam de fato que os países em desenvolvimento encontrem sua grande saída da pobreza. A distribuição de riqueza não é equitativa nem proporcional. Está na mão das nações inverter as disparidades, de modo a abrir caminho para que outros também tenham acesso à riqueza e à saúde. Um poderoso guia que visa ao bem-estar de todas as nações, A grande saída demonstra como as mudanças no sistema de saúde e nos padrões materiais são capazes de transformar a vida de bilhões de pessoas.

Este livro apresenta uma visão complementar àquela descrita no livro O Capital no Século XXI {Thomas Piketty} descrevendo a evolução da riqueza e da saúde ao longo da etapa moderna da evolução econômica. O autor evita a análise exclusivamente econômica e mostra como a falta de gestão e a corrupção (bem nossa conhecida) evitam que países menos desenvolvidos atinjam o nível de qualidade dos países centrais. O livro desmonta a solução trivial que simplesmente distribuindo recursos pode-se resolver o problema da pobreza. Além disto mostra como dentro dos países, inclusive nos Estados Unidos, os 1% mais ricos conseguem se apropriar de uma quantidade enorme da riqueza nacional. Ao final da leitura ficamos com a convicção de que é preciso uma reforma completa e profunda nos mecanismos de cooperação internacional e de uma reversão das estruturas internas aos países na decisão sobre a melhor aplicação dos recursos. Uma leitura obrigatória nos dias de hoje.

Legitimidade social da ciência

Em 10 de Outubro de 2017 a FAPESP publicou este texto: Ciência enfrenta crise de legitimidade em âmbito mundial

Agência FAPESP – A ciência enfrenta uma crise de legitimidade de âmbito mundial. Cresce o questionamento sobre até que ponto os recursos públicos investidos no financiamento de pesquisas são, de fato, revertidos em benefícios à sociedade. Segundo Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor científico da FAPESP, no Brasil, diante do atual cenário de escassez, essa discussão tende a se tornar ainda mais aguda nos próximos anos.

CiênciaO problema é real e global. Com recursos escassos a decisão política de onde aplicá-los tem que ser considerada com muita atenção pelos pesquisadores. 

“Vai ficar ainda mais difícil para a ciência competir por recursos com o setor de saúde pública, com a educação, com a construção de rodovias e também com outros gastos menos defensáveis. Isso vai exigir dos pesquisadores uma maior conexão com as necessidades e os interesses dos contribuintes. É uma preocupação legítima da sociedade saber o que será feito com o dinheiro dos impostos e é nossa obrigação explicar”, disse Brito Cruz no debate “Crise do financiamento em ciência no Brasil”, realizado em 6 de outubro pelo Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap) e pelo jornal Folha de S.Paulo.

Esta realidade precisa ser entendida e os nossos grupos de pesquisa devem mostrar os resultados de seus trabalhos de forma perceptível para a sociedade. Uma recente publicação da Nature enfatiza este ponto no editorial Researchers should reach beyond the science bubble onde escreve explicitamente que “Scientists in the United States and elsewhere ought to address the needs and employment prospects of taxpayers who have seen little benefit from scientific advances”. O Cnpq tem exigido nas prestações de conta a descrição em termos compreensíveis para o público geral o que é a pesquisa e seus resultados. Recentemente estive lendo este texto da The Netherlands Organisation for Scientific Research (NWO) onde é deixado bem claro que o conhecimento deve ser tornado público e de forma a ser utilizado pela sociedade. 

Knowledge Utilisation in the Physical Sciences
  
It is important to that scientific knowledge and skills are also applied outside of academia and/or in other disciplines of science. In short: knowledge that is gained should also be utilised. For that reason, knowledge utilisation plays a role as a selection criterion in all of NWO’s funding instruments. Physical Sciences is eager to help researchers form the contours of knowledge utilisation in their research proposals.

Como venho escrevendo há tempos precisamos mudar os critérios de avaliação das pesquisas e deixar a bibliometria como somente uma ferramenta de apoio ao processo de julgamento. Na Holanda, como visto acima, está claramente escrito que a utilização do conhecimento é utilizada como critério de avaliação dos projetos. Há até um guia sobre o assunto: Guide to Knowledge Utilisation. Petições, marchas, abraços às Universidades não vão adiantar muito enquanto não convencermos a Sociedade da relevância da Pesquisa. A Utilização dos conhecimentos na solução de problemas reais não implica nem em perda de qualidade da pesquisa nem em enfraquecimento da pesquisa básica. Por um lado precisamos trabalhar em problemas reais e por outro é preciso um sólido embasamento formal para garantir a qualidade da pesquisa. Está na hora de mudarmos nosso comportamento antes que seja muito tarde pois cada vez vemos mais neo-luditas atacando a Ciência.