Erasmo de Roterdam

A sua obra mais conhecida, “Praise of Folly” (“Elogio da Loucura”), foi dedicada ao seu amigo Sir Thomas More. Em 1536 ele escreveu “De puritate ecclesiae christianae”, na qual ele tentou reconciliar os diferentes partidos. Muito dos seus escritos apelam a uma grande audiência e lidam com assuntos do interesse humano geral; ele parece ter considerado estes como uma diversão, uma atividade de lazer. Os seus escritos mais sérios começaram cedo com a “Enchiridion Militis Christiani” , o “Manual (ou adaga) do cavalheiro cristão” (1503). Nesta breve obra, Erasmo esquematiza as perspectivas da vida cristã normal, uma tarefa que se lhe tornaria constante na sua vida. O principal mal dos seus dias, diz ele, é o formalismo, um respeito por tradições sem consideração pelo verdadeiro ensinamento de Cristo. O remédio é que cada homem se pergunte a cada ponto “Qual a coisa essencial?”, fazendo-o sem receio. Formas podem esconder ou sufocar o espírito. No seu exame dos perigos do formalismo, Erasmo discute a vida monástica, a adoração de santos, a guerra, o espírito de classe e as fraquezas da “sociedade”, mas o “Enchiridion” é mais um sermão do que uma sátira. O seu texto acompanhante, o “Institutio Principis Christiani” (Basiléia, 1516), foi escrito como conselho ao jovem Rei Carlos de Espanha, mais tarde Carlos V, Sacro-Imperador Romano. Erasmo aplica os princípios gerais de honra e de sinceridade às especiais funções do Príncipe, quem ele apresenta como um servidor do povo.

Como resultado das suas atividades reformadoras, Erasmo viu-se em conflito com ambas as grandes posições. Os seus últimos anos de vida foram ofuscados por controvérsias amargas com pessoas para quem ele seria normalmente simpático. Notavelmente entre estes encontrava-se Ulrich von Hutten, um génio brilhante mas errático, que se entregara à causa de Lutero e tinha declarado que Erasmo, se tivesse uma faísca que fosse de honestidade, faria o mesmo. Na sua resposta “Spongia adversus aspergines Hutteni” (1523), Erasmo demonstra o seu pleno domínio da semântica. Ele acusa Hutten de ter interpretado mal o seu discurso sobre a reforma e reitera a sua determinação em não tomar partido nunca. Placa comemorativa da estadia de Erasmo em Freiburg Placa comemorativa da estadia de Erasmo em Freiburg

Quando a cidade de Basiléia se tornou oficialmente “reformada” em 1529, Erasmo deixou de residir ali, tendo-se mudado para a cidade imperial de “Freiburg im Breisgau”. Parece indicar que ele viu como mais fácil manter a sua neutralidade sob o domínio Católico Romano do que em condições protestantes. A sua atividade literária permaneceu inabalada, majoritariamente na composição religiosa e didática. A obra mais importante deste último período é a “Ecclesiastes”, ou “Pregador do Evangelho” (Basiléia, 1535), na qual ele aponta a função de pregador como o serviço mais importante do padre cristão, uma ênfase protestante. O seu pequeno tratado de 1533, “Preparação para a Morte”, no qual ele coloca ênfase na importância de uma boa vida como condição essencial para uma morte feliz, mostra outra tendência.

Erasmo retornou a Basiléia, a sua casa mais feliz, em 1535, após ausência de seis anos. Lá, de novo entre o grupo de acadêmicos protestante que eram seus amigos de longa data, e sem ter qualquer contacto que seja conhecido com a Igreja Católica Romana, Erasmo faleceu. Durante a sua vida, as autoridades da Igreja Católica nunca o tinham chamado a justificar as suas opiniões. Os ataques à sua pessoa foram de pessoas privadas, e os seus protetores tinham sido pessoas em altas posições. Após a sua morte, como reação da Igreja Católica Romana, os seus escritos viriam a ser colocados no Index dos livros proibidos.

A popularidade extraordinária dos seus livros fica patente pelo número de edições e traduções que surgiram desde o século XVI, e no interesse permanente que é suscitado pela sua personalidade esquiva mas fascinante. Dez colunas do catálogo da “British Library” estão ocupados com a mera enumeração de suas obras e subseqüentes reedições. Grandes nomes da era clássica e dos pais da igreja foram traduzidos, editados ou comentados por Erasmo, incluindo Santo Ambrósio de Milão, Aristóteles, Santo Agostinho, São Basílio, São João Crisóstomo, Cícero, e Santo Jerônimo.  Erasmo morreu na Basiléia, Suíça.